Fiscalizações, fonte de receitas




















Sempre existiu alguma rivalidade entre Polícias e Vigilantes, pelos mais diversos motivos, não se percebe bem porquê.
Antigamente os vigilantes ganhavam quase o mesmo que um polícia, fazendo horas extra o vigilante poderia ganhar 800 ou 900 euros, os Polícias não gostavam muito dos vigilantes.
Há quem afirme que a questão eram os serviços que os Polícias faziam extras, os gratificados, serviços em Feiras, eventos, controle de entradas em estádios de Futebol, centros comerciais etc.
Os vigilantes começaram a fazer esses serviços, ou seja houve uma quebra de receitas $ para esses polícias.

Mas actualmente a Polícia, nomeadamente os agentes da PSP, andam a fiscalizar os vigilantes, para verificar se eles estão bem fardados, se têm o cartão exposto etc, e passam coimas bem pesadas aos vigilantes.
Os Polícias podem ganhar até 20% de comissão por cada coima, e isto não é especulação, é um facto comprovado oficialmente. 

Portanto em vez de se preocuparem primeiramente em combater o crime ou apanhar ladrões, estes senhores preferem importunar quem é honesto e quem trabalha!
Porque se um vigilante tiver umas botas erradas, ou usar um boné no calor do verão que não seja uma peça de fardamento, leva uma coima e nunca mais na vida se endireita a nível de prejuízos e economicamente, uma peça de farda inadequada põe em risco a segurança de alguém? 

Por amor de Deus!

E as coimas são por cada pela de roupa!!
Vamos supor que você tem uns sapatos não «oficiais» de fardamento, e você retirou a gravata, são DUAS COIMAS, e não apenas uma, e o agente da PSP ganha até 20% do valor da coima, para poder ir jantar fora ou comprar um perfume para a namorada, por exemplo.

Quanto mais coimas passar, mais dinheiro ganha, tal não é o "Vampirismo".

Apanhar ladrões, combater o crime?
Para quê?!
Qualquer Juiz solta o ladrão no dia seguinte, a LEI protege os criminosos, não protege cidadãos honestos e trabalhadores.

Multar vigilantes dá mais lucro!



Actualização: 20 de Fevereiro:

A 20 de Fevereiro decorreu a  «Operação Mercúrio» da PSP, em que 593 agentes da PSP fiscalizaram empresas de vigilância e vigilantes em seus locais de trabalho.
Número de operações /fiscalizações: 411 (destacamos 132 a estabelecimentos de restauração e bebidas e 143 a superfícies comerciais);
Detenções: 18 (destacamos 7 por mandado de detenção e 1 por tráfico de estupefacientes e 1 por desobediência);
Apreensões: 22 armas.

71 Infracções detectadas, das quais destaca:

Incumprimento de horários: 2;
Livro de Reclamações: 3;
Falta de Licença de Utilização: 1;
Venda de álcool a menores de 16 anos: 1;
Não ter cartão visível: 6;
Falta de sistema vídeo para controlo de entradas e saídas: 6;
Uso de insígnias/uniforme não autorizado: 3;

Falta de vigilante no controlo de acesso: 1.

fonte: Notícias de Coimbra




Lei 34/ 2013 de 16 de Maio.

Artigo 61º












Atenção :

Os PSP ainda podem ir ao seu local de trabalho e fazer algumas perguntinhas inocentes, são perguntas armadilha.

Se perguntarem se você, como vigilante, pode visionar gravações das câmaras CCTV, recorde-se :
Você não pode ver gravações, nem mostrar gravações à PSP.
Você só pode ver imagens transmitidas em directo.

Você só pode revistar pessoas (revista corporal), se trabalhar numa zona:
Portuária ou Aeroportuária.
Estádios de futebol.
Hóteis.
Discotecas.
Locais com muito público, e em que exista autorização do M.A.I ou esteja presente um agente da PSP, e em que a revista de pessoas seja necessária para garantir a segurança de bens e pessoas.

Você pode solicitar a uma pessoa que se identifique e que mostre o cartão de cidadão ou documento probatório com foto, mas NUNCA poderá ficar com o cartão de cidadão dessa pessoa consigo, você só poderá VER o cartão e o nome da pessoa.

Se ficar com o cartão de cidadão de alguém, nem que seja por uns minutos, COIMA $.

Se estiver mal fardado, COIMA $$$.

Se sair do trabalho desfardado (alguns vigilantes deixam a farda no cacifo), COIMA $.
Segundo o que me foi dito por chefes de zona de empresas, o vigilante tem que SAIR FARDADO e VIR FARDADO para o local de trabalho e percurso casa-trabalho.

Se você tirar o casaco e ficar apenas de camisa, mas esqueceu o cartão no casaco (mesmo que ele esteja ao seu lado), leva COIMA $.
O Maldito cartão tem que estar sempre exposto, coladinho a si.

Se você usar algum aparelho de protecção pessoal (bastão, soqueira, spray pimenta), leva COIMA $.

Os vigilantes que exerçam a actividade sem cartão profissional são punidos até quatro anos de prisão ou com uma multa até 480 euros.



De acordo com um Relatório da PSP, veja Aqui.


Na base de dados da PSP havia muitos vigilantes inactivos, encontram-se activos 21 mil 188 vigilantes possuem cartão válido e estão activos.

Durante o ano de 2009 foram emitidos 15.268 novos cartões, dos quais apenas 6.266 se reportam a novos vigilantes. As restantes 9.002 emissões correspondem a renovações do cartão profissional.
Também aqui se verificaram aumentos, uma vez que durante o ano de 2008 apenas haviam sido emitidos 11.549 novos cartões, entre 8.122 novos vigilantes e 3.427 renovações. 


Pela emissão/renovação de cartões profissionais, durante o ano de 2009 e devido à entrada em vigor
da Portaria n.º 1124/2009 a PSP recebeu 54.596,50 € pela emissão/renovação de cartões.

A PSP, durante o ano de 2009, procedeu a 4.266 acções de fiscalização a determinados locais, dessas acções de fiscalização resultou a verificação de 2.432 infracções.
243 infracções por vigilantes sem cartão. 532 infracções de vigilantes. 137 infracções por não haver registo de actividades disponível.

Foram fiscalizados 13.078 vigilantes no exercício de funções, tendo sido efectuada a detenção de 196 indivíduos.

Dos processos decididos foram aplicadas coimas no valor de € 3.740.000,00, tendo sido paga a importância de € 1.710.000,00 (Um milhão e 710 mil euros).



Relatório de 2015:


Durante o ano de 2014 foram emitidos 10746 cartões profissionais de segurança privado, correspondendo 4160 a novos processos e 6586 a processos de renovação. 

Durante o ano de 2014, realizaram-se 384 inspecções para verificação de requisitos das instalações das entidades titulares de alvará e licença, decorrentes dos processos de renovação ou emissão dos títulos habilitantes em curso.

Durante o ano de 2014 foram realizadas, pela Polícia de Segurança Pública, 6630 acções de fiscalização, sendo visados 21668 indivíduos.

No quadro das suas competências, a GNR iniciou 101 processos por infracções contra-ordenacionais ao regime jurídico da segurança privada, na sequência de 606 acções de fiscalização de segurança privada e 3523 acções de fiscalização em estabelecimentos comerciais (independentemente do tipo de estabelecimento).

Decorrente das competências de fiscalização de segurança privada, a PSP detectou 2092 infracções, sendo 1973 contra-ordenações e 119 de natureza criminal.

Atendendo às infracções detectadas dentro de cada um dos grupos identificados, verificamos
que a infracção mais frequente no que toca ao pessoal de vigilância é a não aposição do cartão
profissional de forma visível. Relativamente a entidades de segurança privada, a infracção mais
comum é a não comunicação no prazo legal das admissões e demissões do pessoal de
vigilância. 



partilhe no Google Plus

About l.g

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment

1 comentários:

  1. Varias Petições sobre o Sector da Segurança Privada:::

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT80052

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT80080

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT80021

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT79955

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=reformasegprivada

    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT79938

    ResponderEliminar

Toda a informação partilhada será da inteira responsabilidade dos intervenientes.
Seja cordial e respeite a opinião dos outros, não ofenda ninguém.
Conforme está consagrado na Constituição da Republica Português, (Art.º 37, nº.1) “todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio.